Primaz

Um jeep chegava ao QG com a urgência dos aflitos, sirenes gritavam e olhos chorosos pediam um abre-alas que aos poucos nascia. Confrades traziam, envolto numa lona, um soldado gravemente ferido. Seu peito alvejado tingia de escarlate um nobre uniforme e coloria condecorações diversas. Agonizante, trouxeram-no à enfermaria e ali apartaram homem e farda.

Deitando a vestimenta numa maca improvisada, limparam, fio a fio, o nobre tecido que representava o País. Feito isso, começaram a suturar, a ponto fino, o pano que ali quase jazia.

Depois de horas de labuta, fatigados, mas contentes, terminaram a penosa costura. O brasão e as cores daquele exército sobreviveram a mais uma batalha.

Um dos textos vencedores da categoria Palavra do PRÊMIO ADEMARO PREZIA-2016

Autor: Ricardo Messias Marques

Natural de Piumhi, MG, Ricardo é graduado em Administração de Empresas e Letras. Atualmente se dedica ao estudo das Línguas e à criação literária. É contista, cronista e poeta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s